Arquivo da tag: gis

tux_gvSIG_coletanea

[maio/2013] Atualização da Coletânea de Links Sobre o gvSIG

tux_gvSIG_coletanea

Buenas, pessoal

Depois de mais de um ano sem mexer na Coletânea de Links Sobre o gvSIG, voltamos à carga, trazendo uma nova atualização. Desta vez fiz uma revisão completa, corrigindo links quebrados, duplicados e/ou com problemas. Além disso, procurei acrescentar todos os links que consegui coletar neste meio tempo.

Terminado o trabalho, deixo aqui algumas constatações:

  • A lista cresceu! Não só em número, mas principalmente em qualidade. Podemos constatar um amadurecimento muito grande nos tutoriais que vem sido disponibilizados, o que só vem a colaborar para o crescimento da comunidade.
  • Por outro lado, o número de colaboradores não aumentou na mesma proporção. Precisamos reverter esta situação, incentivando cada vez mais o compartilhamento de conhecimentos.
  • Com o crescimento do número de links, tive que fazer uma reestruturação na divisão da classificação. Procurei reproduzir o máximo possível a estrutura do Manual do usuário do gvSIG, acrescentando algumas categorias complementares, a maioria já existente na coletânea anterior.
  • Após esta reestruturação, resolvi retirar aquele efeito “sanfona” entre as categorias. Muito embora a lista tenha ficado com uma aparência mais extensa, facilita o trabalho de quem quer pesquisar alguma referência através da busca do navegador (o famoso CTRL+F).
  • Por falar em pesquisa, observem que procurei manter o título original do artigo, inclusive preservando a língua no qual ele foi escrito. Levem isso em consideração em suas buscas, pois temos tutoriais em português, espanhol, inglês, francês, italiano, …
  • Com o lançamento da aguardada versão 2.0 do gvSIG, estão surgindo muitos tutoriais voltados para esta versão, principalmente vindos do Blog do gvSIG. Em princípio, todos os artigos que apareceram por lá até o dia de hoje sobre esta versão estão listados. Procurarei atualizar a lista conforme forem sendo lançados outros artigos, sem maiores avisos aqui no blog…
  • Na medida do possível procurei destacar quando o link é referente a uma versão específica do gvSIG, ou é aplicável a partir de uma certa versão. Por exemplo, todos os links para artigos referentes ao gvSIG 2.0 levam o nome da versão no texto descritivo do link. Não venci colocar esta informação em todos os links, mas irei padronizando com o passar do tempo.
  • Por favor, se encontrarem algum link quebrado ou qualquer outro erro, me avisem! Usem o formulário de contato, ou até mesmo o sistema de comentários do blog. E, como sempre, sugestões são sempre bem vindas!

Creio que para o momento é isso, pessoal. Por favor, usufruam da Coletânea de Links sobre o gvSIG, que já é um verdadeiro “FAQ” sobre o gvSIG ou, em outras palavras, um ponto de partida para quem quer descobrir a resposta para a pergunta: “Como eu faço isso no gvSIG?”…

Acrescentando novas rampas de cores ao gvSIG

Buenas, pessoal! Procurando manter ao menos uma postagem semanal sobre o gvSIG 😉

Uma das grandes reclamações dos usuários do gvSIG é quanto as rampas de cores (ou gradientes de cores, como soa melhor em português): embora funcionais, os gradientes disponibilizados por padrão no gvSIG não são um primor de beleza. Mesmo com o lançamento do gvSIG 2.0 essa situação não mudou.

A um tempo atrás o usuário Kevin Weels havia liberado um novo arquivo na lista de usuários do gvSIG, com novas rampas de cores, que complementavam as nativas do gvSIG, e o nosso amigo Jorge Santos, do blog Processamento Digital criou um tutorial ensinando a instalar essas novas rampas de cor. Infelizmente o arquivo anexo a lista não está mais disponível, e ficamos novamente “a ver navios”…

Depois de algum trabalho de garimpagem, o Jorge conseguiu localizar um backup do referido artigo, e me repassou. Aproveitando a boa vontade do nosso amigo, estudei um pouco o formato utilizado para criar os gradientes, e acrescentei aos esquemas por ele disponibilizados todos os gradientes de cores que estão no site Colorbrewer: Color  Advice for Maps, que é uma das principais referências quanto a esquemas de cores para mapas.

Pois bem. Chega de conversa e vamos aos fatos: para testar os novos gradientes, primeiramente baixe o arquivo palettes.zip e extraia o arquivo “palettes.xml” que está no mesmo. Em seguida, com o gvSIG fechado, acesse a pasta de configuração do gvSIG, cuja localização varia conforme o sistema operacional que você usa:

Windows XPC:\Documents and Settings\”username”\gvSIG
Windows SevenC:\Users\”username”\gvSIG
Linux:   /home/”username”/gvSIG

Substitua o arquivo “palettes.xml” existente nesta pasta pelo arquivo novo que foi baixado no passo anterior.

Por último, delete as pastas “colortable” e “ColorSchemes” que estão na mesma pasta (em algumas instalações a pasta “ColorSchemes” não está presente).

palettes01

Feito isso, já podemos abrir o gvSIG e desfrutar os novos gradientes de cores que estão disponíveis a partir de agora.

palettes02

É interessante ressaltar algumas observações que o Kevin fez, e que continuam pertinentes:

As rampas de cores são projetadas para trabalhar com dados raster e vetores, embora algumas sejam melhores para dados raster e algumas são melhores para dados vetoriais. O número de classes em cada rampa está entre parênteses como parte do nome da rampa.
No Windows, as rampas de cores são ordenadas alfabeticamente e sua visualização é agradável, durante a escolha de uma rampa. No Linux é diferente, pois não consigo ordenar as rampas de cores no Linux. Elas parecem aleatórias e sua visualização não é tão agradável quando as rampas são ordenadas como um grupo.
No entanto, eles estão completamente funcionais no Linux.
Para restaurar a cor padrão das rampas de cores, apague o arquivo “palettes.xml” e as pastas “ColorSchemes” e “Colortable”. Em seguida, reinicie gvSIG. O arquivo original “palettes.xml”e as pastas serão recriadas.

Espero que vocês gostem.

Anúncio: disponível a nova versão gvSIG 2.0 final

Deixo abaixo a tradução da notícia que foi disponibilizada hoje de manhã:

A Associação gvSIG anuncia a publicação da versão final do gvSIG 2.0 [1]. A principal novidade desta versão é sua nova arquitetura, que foi redesenhada de forma tal que o gvSIG maneja as fontes de dados com o objetivo de melhorar tanto a confiabilidade como a modularidade, beneficiando assim tanto aos usuários como aos desenvolvedores. Além de permitir uma maior facilidade de manutenção e evolução da tecnologia. Tem sido, por tanto, uma aposta de futuro com o objetivo de não limitar a evolução tecnológica e assentar as bases para uma rápida evolução. 

Não obstantemente, esta nova versão do gvSIG Desktop traz também uma série de novas funcionalidades:
  – Novo instalador, que suporta instalação típica ou personalizada.
  – Administrador de complementos, que permite instalar novas extensões e personalizar nosso gvSIG dentro da própia aplicação.
  – Algumas mudanças na interface das ferramentas de manejo de dados como:
       · Importação/exportação de arquivos.
       · Operações com tabelas.
       · Nova camada.
  – Melhoras no rendimento de abertura das camadas.
  – Suporte de WMTS (Web Map Tiled Service).
  – Cache de dados raster.
  – Interface de geoprocesamento unificada.
  – Importador de símbolos, facilitando a geração de bibliotecas de símbolos. 
  – Exportador de símbolos, que permite compartilhar com facilidade bibliotecas de símbolos completas com outros usuários. 
  – Contorno de scripting (linguagens: Jython, Groovy e Javascript).

Apesar de ser a última versão do gvSIG, temos que ter em conta que realmente nos encontramos diante em um novo gvSIG, pelo que notaremos que a mesma não conta com algumas das funcionalidades do gvSIG 1.12. Estas funcionalidades serão incorporadas em sucessivas e contínuas atualizações, conforme forem sendo migradas para a nova arquitetura. As principais funcionalidades não disponíveis são:
  – Georreferenciamento
  – Legendas por símbolos proporcionais, graduados, densidade de pontos, quantidades por categoria e por expresões
  – Extensões: Análises de redes e 3D.

Do mesmo modo, existem diversos projetos baseados nesta nova arquitetura, que permitirão que nos próximos meses apareçam novas funcionalidades e melhoras diretamente sobre o gvSIG 2.0.

Da mesma forma, temos que lembrar que o nível de estabilidade desta nova versão não é tão alto como gostaríamos, considerando-a uma versão final para efeito de que a comunidade possa começar a utilizá-la de forma oficial e, principalmente, abordar os novos desenvolvimentos sobre ela. 

Por tudo isso convidamos você a experimentá-la e a relatar os erros que encontrarem, de maneira que possamos ir corrigindo-os nas sucessivas atualizações. Os erros conhecidos desta versão podem ser consultados em [2].

Nesta versão foram habilitados também vários mirrors para a descarga dos complementos a partir do gvSIG. Estes mirrors estarão disponíveis dentro de alguns dias.

Esperamos que gostem das novidades desta nova versão e que nos ajudem a melhorá-la.

Exemplo prático do uso da Calculadora de Campos no gvSIG

Buenas, pessoal!

A dica de hoje nasceu de uma necessidade específica: estava a procura da relação do valor do Módulo Fiscal por município do RS, e o local onde eu encontrei essa relação foi em um site (Módulos Fiscais no RS), mas a mesma estava no formato texto, e não em uma tabela, como eu precisaria.

Em um primeiro momento pensei em utilizar a excelente dica do @geojcarlos, do blog Carta Geográfica[DICAS EXCEL] Como separar números e textos em duas colunas. No entanto, esta dica só funciona se o campo a ser separados estiver no início da string e se o mesmo tiver um comprimento fixo (o mesmo para todas as linhas da tabela). Não era o meu caso, pois na minha relação o campo que eu queria separar (o valor do módulo fiscal) estava no final da string e não tinha tamanho fixo (variava entre 1 a 3 caracteres), e ainda havia o agravante de que a primeira parte da string (o nome do município) também variava muito, podendo ser composto de um a quatro ou mais nomes, todos separados por espaços, o que complicava também o uso do espaço como separador de campos.

Buenas, foi aí que veio a ideia de utilizar a Calculadora de Campos como ferramenta para fazer o trabalho, pois, como explicamos no último artigo da série “Calculadora de Campos no gvSIG – Operações com Textos”, ela nos permite a execução de scripts em Python/Jython. Pois bem, mesmo não sendo um programador Python, procurei a ajuda dos “universitários” (neste caso, quem me ajudou foi o @Vegetando, amigo de outras paradas). Com um pouco de lógica e pesquisa nas funções de manipulação de strings do Python, chegamos ao seguinte script:

# Esta rotina serve para separar de uma string tudo que está antes do carctere separador '?'; neste caso, o nome do Município
def extrair_nome(campo):
	return campo[0:campo.rfind('?')]
# Esta rotina serve para remover a última parte de uma string, que está depois do caractere separador '?'; neste caso, o valor do Módulo Fiscal
def extrair_numero(campo):
	return campo[campo.rfind('?')+1:len(campo)]

Copie o texto do script e cole no processador de textos de sua preferência, salvando posteriormente como “modulofiscal.py”. Irei comentando o funcionamento do script conforme for explicando o procedimento que adotei.

Atenção: por algum motivo o WordPress “engole” a formatação do texto, e o Python é muito chato quanto a indentação das linhas. Na segunda linha de cada função (a que começa com “return”, você deverá dar um <TAB> no início da linha, ou o Python não irá interpretar corretamente o script e acusará erro. Desculpem pelo inconveniente, e obrigado ao Alejandro por ter me alertado do erro.

Obs.: espero ter corrigido o problema com a instalação de um plugin para usar a sintaxe de códigos de programas no WordPress (o WP-Syntax). Mesmo assim, tomem cuidado com a formatação!

Em primeiro lugar, para transformar a listagem em formato texto para uma tabela no formato do tipo .dbf, que é o formato que o gvSIG trabalha, precisaremos lançar mão do OpenOffice Calc ou do seu equivalente, o LibreOffice Calc. Como tenho o último instalado nos meus micros com Ubuntu Linux, foi o que eu utilizei, mas é indiferente.

Para seguir o passo a passo, acesse primeiramente a página Módulos Fiscais no RS, selecione toda a relação de municípios e copie a mesma. Com o LibreOffice Calc aberto, clique na segunda linha da planilha e use o comando para colar. A listagem será colada na planilha, cada município ocupando uma linha da planilha, que é o que precisamos. Usaremos a primeira linha para escreveremos o nome da coluna (usei “MUNMOD”), que será usada no nosso arquivo .dbf.

modulo_fiscal_01

Neste momento, se você está usando Windows, basta apenas “Salvar como…”, selecionar “dbf” como tipo de arquivo, e tomar o cuidado de selecionar a opção “Western Europe (Windows-1252/WinLatin1)” na janela de definição da codificação de caracteres, para que não haja problemas de exibição de caracteres estranhos depois, quando abrirmos a tabela no gvSIG.

modulo_fiscal_02

Se você conseguiu salvar o arquivo como .dbf, não precisará fazer o próximo passo, podendo pular para o seguinte.

O problema que eu encontrei, usando o LibreOffice no Ubuntu Linux, foi que eu não consegui salvar como .dbf, pois ocorria um erro geral, sem muitas especificações:

modulo_fiscal_03

Como não tive tempo de procurar a correção do erro, parti para encontrar outro caminho para fazer o que eu queria: salvei o arquivo no formato .csv, que também é importado como tabela no gvSIG. O procedimento é semelhante: de posse da planilha, vá em “Salvar como…” e escolha o formato .csv. A única diferença aqui é que, no momento da seleção da codificação do arquivo, haverá mais algumas opções, relativas ao caractere separador entre os campos. Podemos deixar as opções como vem por padrão no LibreOffice, somente tomando o cuidado de selecionar “Western Europe (Windows-1252/WinLatin1)” como padrão de codificação para o arquivo. Salvo o arquivo, seja como .dbf ou .csv, podemos fechar o LibreOffice e abrir o gvSIG.

Aberto o gvSIG, no Gestor de Projetos, vamos selecionar os documentos do tipo “Tabela“:

modulo_fiscal_05

 

Ao clicarmos no botão “Novo“, abrirá uma janela onde poderemos clicar no botão “Adicionar” para selecionar o arquivo .csv que acabamos de salvar. Selecionado o arquivo, ele aparecerá no campo de texto “Tabelas“, e podemos clicar em “Aceitar” para que a tabela seja importada no gvSIG. Se tudo deu certo, o nome do arquivo que acabamos de importar (Mun_Mod_RS.csv, no meu caso) aparecerá no Gestor de Projetos. Clicando no menu “Camada > Ver tabela de atributos” ou no ícone correspondente na barra de ferramentas, poderemos conferir que a tabela foi importada, e que nossos dados estão lá:

modulo_fiscal_06

Observe que, mesmo tendo escolhido a codificação “Cp1252“, aparece um caractere estranho no meio da string. Não consegui determinar o porque de ter ocorrido esse problema com o caractere separador, mas creio que é algum problema de codificação na página da internet onde baixamos os dados (possivelmente foi usado um “Tab“). De qualquer forma, essa será uma informação importante, como veremos mais adiante.

Importada a tabela, precisaremos transformá-la em um arquivo shape, para podermos lidar com a mesma no gvSIG. Normalmente o gvSIG não permite esse tipo de transformação, mas vamos usar um pequeno truque para enganá-lo. Volte ao Gestor de Projetos, e crie um novo documento do tipo “Vista“. Abra a Vista que acabamos de criar e, acesse o menu “Vista > Adicionar camada de eventos” ou clique no ícone correspondente na barra de ferramentas:

modulo_fiscal_07

Abrirá o diálogo de “Adicionar camada de eventos“, bastando clicarmos em “Aceitar“, sem alterarmos nenhuma das opções:

modulo_fiscal_08

Será criada uma nova camada de eventos, contendo apenas um ponto, onde estarão vinculados todos os campos da nossa tabela. Essa informação não teria muito valor, exceto pelo fato de que agora poderemos trabalhar com a tabela na vista do gvSIG.

Mas, antes, precisamos transformar o arquivo .csv em um arquivo .dbf. Para tanto, com a janela de atributos da tabela aberta, acesse o menu “Tabela > Exportar > DBF“:

modulo_fiscal_10

 

E já temos nossa tabela no formato .dbf. Para quem conseguiu exportar no LibreOffice/OpenOffice, pode retomar o tutorial a partir daqui. Para não criar alguma confusão, remova a vista que havíamos criado, bem como a tabela .csv que havíamos importado anteriormente. Assim, teremos a mesma área de trabalho para ambos os casos.

No Gestor de Projetos, em “Tabelas“, crie uma nova tabela, e adicione a tabela “mun_mod_rs.dbf” que acabamos de criar. Note que agora, na tabela aberta, o caractere separador passou a ser “?“. Pode acontecer de aparecer outro caractere, mas o importante é identificar qual caractere é o separador, pois é o que será usado pela rotina para fazer a separação dos campos. Posicione o cursor dentro de uma das linhas da tabela, copie e cole em um editor de textos, selecione o caractere separador (o que está entre o nome do município e o número) e cole no script “modulofiscal.py“, em todos os lugares onde aparecer a sequencia ‘?’, e depois salve novamente o script.

modulo_fiscal_11

De volta ao Gestor de Projetos, crie uma nova Vista e insira nela a tabela .dbf que criamos através do menu “Vista > Adicionar camada de eventos“, conforme já explicado anteriormente. Feito isso, crie a camada shape, através do menu “Camada > Exportar para… > SHP“.

modulo_fiscal_12

Depois de exportar, insira a camada exportada na Vista, e delete a camada .dbf que tínhamos no ToC.

Selecione a camada criada e clique com o botão secundário do mouse em cima da mesma. No menu suspenso que abre, selecione a opção “Iniciar edição“, para entrar no modo de edição. Visualize os atributos da tabela (“Camada > Ver tabela de atributos“, ou o ícone correspondente na barra de ferramentas). Selecione a única coluna que temos na tabela, e clique em “Tabela > Modificar a estrutura da tabela“:

modulo_fiscal_13

 Vamos criar dois novos campos na tabela: MUN, do tipo string, de tamanho 80, e MOD_FISC, também string, e tamanho 3.

modulo_fiscal_14

Criados os campos, clique em “Aceitar” para voltar para a janela de atributos da tabela. Selecione a coluna “MUN“, e clique no menu “Campo > Expressão” ou no ícone correspondente, para abrir a Calculadora de Campos. Agora é que a diversão vai começar realmente 😉

Na Calculadora de Campos, clique na aba “Avançada” e, clicando no botão “Explorar“, encontre o arquivo “modulofiscal.py” que salvamos no início deste tutorial. Depois de aberto, deverá aparecer o caminho completo do arquivo no campo de textos. Clique no botão “Avaliar” para que o gvSIG reconheça o script.

modulo_fiscal_15

Feito isso, volte para a aba “Geral” e no campo de expressões digite a seguinte expressão: “extrair_nome([MUNMOD])"

modulo_fiscal_16

Ao clicarmos em “Aceitar” a expressão será aplicada, e o resultado será colocado na coluna “MUN“, conforme solicitamos:

modulo_fiscal_17

Para separar o valor do módulo fiscal, selecione a coluna “MOD_FISC” e repita o processo, aplicando a expressão extrair_numero([MUNMOD]). No final, deveremos ter o seguinte resultado:

modulo_fiscal_18

Como último passo, precisamos converter os valores que estão na coluna “MOD_FISC” de string para número, para que possamos realizar operações com os mesmos. Para fazer isso, crie um novo campo na tabela, nome “MOD_FIS“, tipo Integer, tamanho 3. De volta a janela de atributos da tabela, clique na coluna que acabamos de criar e abra a Calculadora de Campos. Agora não precisaremos usar a aba “Avançada“, pois a função que iremos usar já está disponível na Calculadora de Campos do gvSIG. Dê um duplo clique na função “toNumber” na coluna de Comandos e, colocando o cursor dentro dos parênteses da expressão, dê um duplo clique no Campo “MOD_FISC” (ou digite diretamente a expressão “toNumber([MOD_FISC)]” no campo “Expressão“). Ao clicarmos no botão “Aceitar“, a expressão será aplicada e teremos no campo “MOD_FIS” os valores dos módulos fiscais de cada município, agora transformados em números.

Para terminar o nosso trabalho podemos voltar a editar a estrutura da tabela e deletarmos os campos “MUNMOD” e “MOD_FISC“, que não serão utilizados, e ficaremos com a tabela “mun_mod_rs.dbf” final, totalmente editada através da Calculadora de Campos do gvSIG.

Guarde esta tabela, pois iremos utilizá-la nos próximos artigos, que virão em breve. Por enquanto é isso, pessoal!

P.S.: Fiquei devendo a explicação do script. Não esperem grandes comentários, até porque como programador Python eu sou um ótimo encanador…

A base da rotina é o método  rfind() do Python. Este método retorna a localização da última posição de uma substring dentro de uma string. No nosso caso, queremos localizar a última posição do caractere separador dentro da nossa string.

Vejamos a expressão que separa o nome do município:

def extrair_nome(campo):
	return campo[0:campo.rfind('?')]

Na primeira linha, definimos o nome da função e o parâmetro que devemos passar (uma string de nome “campo”, na nossa rotina). Na segunda linha, estamos solicitando que a rotina nos retorne a substring da string “campo”, que está compreendida entre a primeira posição (0) e a posição anterior a do caractere que determinamos como separador.

Agora a expressão que separa o valor do módulo fiscal por município:

def extrair_numero(campo):
	return campo[campo.rfind('?')+1:len(campo)]

A primeira linha é a mesma explicação da anterior. Já na segunda linha estamos solicitando que a rotina nos retorne a substring da string “campo”, que está compreendida entre a primeira posição após o caractere separador (por isso o +1) até o fim da string.

Em linhas gerais, é isso. Não é uma explicação muito técnica (que me perdoem os programadores de plantão), mas creio que já é possível entender a lógica da ideia…  😉

Comunidades gvSIG brasileiras: espaços onde compartilhar conhecimento

Buenas, pessoal!

Como sempre, ando meio sumido, mas volta e meia eu “apareço”. (BUUU :P)

Hoje estou aproveitando para divulgar alguns novos espaços para a comunidade gvSIG brasileira (e outros nem tão novos, mas pouco divulgados…):

Vou começar com uma comunidade que criei a pouco tempo: gvSIG Brasil no Google+

Se você se inscrever por lá, tenha um pouco de paciência para receber a liberação para acesso, porque eu não tenho acesso ao G+ no trabalho… se alguém se voluntariar a ajudar no gerenciamento desta comunidade, entre em contato comigo que eu providencio os ajustes.

Outra comunidade brasileira do gvSIG foi criada para os usuários do Facebook (essa não fui eu…). Se você está no Facebook e quiser participar, acesse o grupo gvSIG Brasil.

Temos também a comunidade gvSIG no GeoConnect do Mundo Geo. Muito embora não seja uma comunidade específica para os brasileiros, são aceitas postagens em qualquer língua.

Divulgo ainda, para quem não conhece, a Lista de emails da Comunidade gvSIG-BR. Esta é a lista oficial da comunidade de usuários brasileiros, e é o espaço destinado para tirar dúvidas, divulgar trabalhos e estimular a adoção do gvSIG aqui no Brasil.

É isso aí, pessoal. Espaço para divulgar e compartilhar conhecimento é que não falta. O que falta são pessoas dispostas a criar e, principalmente, compartilhar o conhecimento!

Instalando o gvSIG 2.0 versões RC (release candidate)

Buenas, pessoal!

O desenvolvimento da versão 2.0 do gvSIG está andando a passos largos. Montei este tutorial com a versão RC3, mas já recebi a notícia de que já está disponível para download a versão RC4. Não haverá maiores problemas pois o procedimento é o mesmo, bastando substituir o nome do arquivo para a última versão disponível.

Há uma grande expectativa da comunidade de usuários gvSIG quanto ao lançamento da versão 2.0, e se você quiser testar a nova versão, poderá seguir os passos que estão demonstrados neste tutorial. Ressaltamos que esta é uma versão beta, destinada a testes, e que não deve ser utilizada como ambiente de trabalho “normal”. Este tutorial está sendo feito considerando a instalação do gvSIG 2.0 RC3 em um PC com Linux Ubuntu 12.04. Para outras versões do Linux e/ou de outros sistemas operacionais o procedimento pode variar um pouco, mas segue a mesma lógica.

A partir da versão 2.0 teremos duas possibilidades de instalação: a tradicional (completa e com todos os pré-requisitos de instalação), que é opção recomendada, e a instalação online, que requer uma conexão com a internet para ser completada (recomendo uma conexão com a internet estável e de boa velocidade, pois o número e tamanho dos arquivos a baixar é considerável). Na medida do possível, procurarei abordar ambos os processos de instalação.

Como o tutorial ficou bem “grandinho”, optei por colocar uma divisão no texto. Na página principal você verá até essa parte, e, clicando no link abaixo, poderá visualizar o tutorial completo.

Continue lendo Instalando o gvSIG 2.0 versões RC (release candidate)

Diagrama de Voronoi no gvSIG + Sextante (#SLGeoTbFaz)

Buenas, pessoal!

Mais um ponto para o software livre: a integração entre os vários projetos, agregando diversas ferramentas e potencializando o resultado final, o que nos permite obter o mesmo resultado utilizando caminhos diversos.

Hoje voltamos ao Diagrama de Voronoi. No artigo anterior vimos como gerá-lo através da extensão de Topologia do gvSIG. Hoje veremos como obter o mesmo resultado no gvSIG através das rotinas disponibilizadas pela extensão Sextante.

Iniciando a partir do resultado que obtivemos no último artigo, vamos abrir a extensão Sextante, clicando em “SEXTANTE > Caixa de ferramentas” ou clicando no ícone correspondente:

voronoi_sextante01Será aberta a janela da ferramenta Sextante:

voronoi_sextante02Para facilitar a localização, vamos utilizar o campo de busca (“Search“), fazendo uma busca pela palavra “voronoi“:

voronoi_sextante03Podemos notar que aparecerão apenas a rotina referente ao Diagrama de Voronoi. Poderíamos achar a mesma ferramenta seguindo o caminho: “Algorithms > SEXTANTE > Tools for point layers > Voronoi tesellation

Basta então clicar sobre o nome da rotina que será aberta a janela correspondente. Na primeira aba precisamos definir dois parâmetros: a camada de pontos, que será o shape “parada_bus.shp”, e também o nome e o caminho do arquivo que será gerado:

voronoi_sextante04Na segunda aba devemos definir o tamanho do arquivo que será gerado. Podemos escolher se o diagrama será gerado em relação à camada de entrada, se será defina pelo usuário, se levará em consideração o tamanho de uma vista, ou será gerada em relação ao tamanho de uma camada. Podemos selecionar a primeira opção, que gerará o Diagrama de Voronoi levando em consideração o tamanho da camada de entrada:

voronoi_sextante05Selecionados os parâmetros que a rotina necessita, podemos clicar no botão “OK”, e o Diagrama de Voronoi será gerado, sendo automaticamente inserido na vista que estamos trabalhando:

voronoi_sextante06Alterando os parâmetros da simbologia, podemos ver o nosso resultado final, agora gerado no gvSIG através da extensão Sextante:

voronoi_sextante07Por hoje é isso pessoal.

Diagrama de Voronoi no gvSIG (#SLGeoTbFaz)

Buenas, pessoal!

Como comentamos no último artigo, onde falamos sobre a instalação da extensão de Topologia no gvSIG, dissemos que a mesma seria necessária para o próximo assunto, o Diagrama de Voronoi:

Vou fazer um “CTRL-C – CTRL-V” no texto do Anderson Medeiros sobre a função do Diagrama de Voronoi, para não chover no molhado:

diagrama de Voronoi, também conhecido pela denominação de polígonos de Thiessen é utilizado para resolver problemas que envolvem conceito de proximidade em um plano. É uma das estruturas mais importantes no contexto da Geometria Computacional.

Recomendo o texto “Diagrama de Voronoi e suas aplicações em SIG“, também do Anderson Medeiros, se você quiser se aprofundar um pouco mais na parte teórica. Como o nosso objetivo é a parte prática, baixe esse arquivo de shapes, que contém dois shapes:  o shape “lotes.shp” representando as quadras de um determinado bairro, e o shape “paradas_bus.shp” representando as paradas de ônibus existentes naquela região. Utilizaremos o geoprocesso do Diagrama de Voronoi para gerarmos um diagrama que nos permita fazer uma análise espacial da distribuição das paradas de ônibus, para verificarmos se as suas localizações estão atendendo as demandas dos usuários, por exemplo. Vamos ao trabalho:

Em primeiro lugar, abra o seu gvSIG, já com a extensão de Topologia devidamente instalada (se ainda não instalou, volte ao artigo anterior neste blog). Crie uma nova Vista, no sistema de projeção SAD69 (EPSG 4291). Abra a Vista e insira na mesma os dois shapes que foram baixados:

voronoi00

Em seguida, vamos abrir o geoprocesso do Diagrama de Voronoi propriamente dito, acessando o menu “Vista > Gestor de geoprocessos“. Ao clicarmos nesta opção irá abrir a janela do Gestor de geoprocessos. Para localizar o geoprocesso do Diagrama de Voronoi é necessário navegar na árvore de Geoprocessos: “Geoprocessos > Análises > Geometria Computacional > Voronoi > TIN/Voronoi/Delaunay“:

voronoi01

Ao clicarmos nesta opção irá aparecer no lado direito da janela do Gestor de geoprocessos uma descrição dos procedimentos que serão aplicados. Basta clicarmos na opção “Abrir Geoprocesso” para abrir a janela do Geoprocesso:

voronoi02

 Como “Camada de entrada” vamos selecionar o shape “paradas_bus.shp“; automaticamente o gvSIG nos avisará que foram selecionados 17 elementos. Selecionaremos a opção “Polígonos de Thiessen (Voronoi)” e a opção “Chew’s incremental TIN baseado em um triângulo envolvente“. Por último, clicamos no botão “Abrir” e selecionamos o local e o nome para o shape que será criado.

Feitas estas seleções, podemos gerar o Diagrama de Voronoi, bastando para isso clicar no botão “Aceitar” e aguardar a geração do diagrama.

No final do processo, seremos apresentados a uma tela semelhante a essa:

voronoi03

Para melhorarmos a visualização e obtermos um resultado mais significativo em termos de interpretação, podemos alterar as propriedades da camada do Diagrama de Voronoi, retirando o seu preenchimento, o que nos permitirá visualizar a distribuição das paradas de ônibus e como cada conjunto de quadras está sendo atendido pelas suas respectivas paradas:

voronoi04

Por hoje é isso, pessoal! Espero conseguir tempo para colocar online todos os artigos que tenho por aqui sobre o uso do gvSIG… Um abraço a todos os que nos acompanham e nos incentivam nessa empreitada!

Instalação da extensão de topologia no gvSIG 1.12

Estou acompanhando a série de artigos sobre Diagrama de Voronoi que o Anderson Medeiros está publicando em seu blog, e um dos artigos explica como efetuar essa operação no ArcGIS. É uma boa hora para retomarmos a série #SLGeoTbFaz. No entanto, ao abrir o gvSIG para fazer o procedimento, notei falta da opção para elaborar o Diagrama de Voronoi e, após uma breve pesquisa, descobri que seria necessário instalar a extensão de Topologia para habilitar essa função no gvSIG. Veremos agora como proceder para instalar a extensão de topologia no gvSIG, nas versões 1.12 e superiores (nas versões 1.11 e anteriores o procedimento é um pouco diferente, e será abordado ao final deste artigo). Em primeiro lugar, precisamos acessar o Gestor de Complementos, que a partir desta versão do gvSIG já está totalmente funcional. Para tanto, acessamos essa opção no menu Ferramentas > Gestor de Complementos. Ao clicarmos nesta opção, nos depararemos com a seguinte tela (clique na figura para abrir em tamanho maior):

complementos01

A primeira opção é utilizada no momento da instalação do gvSIG, a segunda é utilizada quando fazemos a instalação a partir de um arquivo disponibilizado para este fim, e a terceira opção, que é a que iremos usar, é utilizada quando queremos instalar um complemento (uma extensão do gvSIG, neste caso), a partir de um repositório do gvSIG, na web. Note que o campo logo abaixo já está preenchido com o link do repositório que iremos utilizar. Clicamos no botão “Next” para irmos à próxima tela: complementos02 No lado direito desta tela veremos uma lista com todos os complementos que estão disponíveis para instalação a partir deste repositório. Vamos descer a lista até encontrarmos a extensão “org.gvsig.topology“, que é a que nos interessa neste momento. Selecionado o complemento que queremos instalar, clicamos novamente no botão “Next“.

complementos03

Neste momento, aparecerá uma janela alertando para o fato de que selecionamos uma versão que está em desenvolvimento ou não é oficial. Clicamos em “Continue” para seguirmos na instalação.

complementos04

Neste momento, voltaremos à janela do Gestor de complementos. Clicamos no botão “Iniciar download” para iniciarmos o processo:

complementos05

Dependendo da conexão, esse passo pode demorar um pouco, pois o programa entrará em contato com o servidor do repositório, e fará a “negociação” para iniciar o download:

complementos06

Quando o download do arquivo começa, podemos acompanhar o seu avanço.

complementos07

Terminado o download precisamos clicar novamente no botão “Next“, para seguir para a tela de instalação propriamente dita:

complementos08

Terminada a instalação do complemento que selecionamos, o botão “Finalizar” ficará disponível, bastando clicar no mesmo para terminarmos o processo.

complementos09

 Por último, somos alertados de que precisamos reiniciar o gvSIG para que as mudanças sejam aplicadas, isto é, neste caso, para que a extensão de Topologia esteja funcional no gvSIG. Pode até parecer um pouco complicado em um primeiro momento, em parte porque eu detalhei bastante o processo, mas é algo relativamente fácil e certamente menos complicado do que o processo de instalação de complementos que existia nas versões anteriores. Por sinal, para quem estiver trabalhando com versões anteriores a 1.12 do gvSIG, será necessário instalar no modo “antigo”: Acesse a página de downloads das extensões (http://www.gvsig.org/web/projects/gvsig-desktop/devel/topology), escolha a versão referente ao seu sistema operacional, e execute o arquivo que baixar. Se você estiver trabalhando com o Linux, poderá se basear em um dos tutoriais que eu já havia disponibilizado em outras ocasiões sobre a instalação de extensões no gvSIG (aqui ou aqui).

Neste artigo apresentamos o Gestor de Complementos do gvSIG, uma ferramenta importante e que passará a fazer parte do nosso modo de trabalhar com o programa, pois vem substituir o processo antigo, permitindo que não nos preocupemos com qual a sistema operacional e/ou versão do programa estamos trabalhando, ou com qual o local onde o gvSIG está instalado, pois o Gestor de Complementos gerencia todas estas informações para nós, tornando o processo transparente.

No próximo artigo veremos como aplicar o Diagrama de Voronoi com o gvSIG, utilizando a extensão de Topologia do gvSIG. Até lá!

Calculadora de Campos no gvSIG – Operações com textos – parte 1

Buenas, pessoal!

Depois de um “longo inverno” sem postagens aqui no blog, retomamos aonde havíamos parado: o estudo das aplicações da Calculadora de Campos no gvSIG. Recomendo que vocês façam uma revisão do artigo anterior, onde fizemos uma introdução a Calculadora de Campos no gvSIG antes de prosseguir por aqui…

Para os exercícios que faremos por aqui, continuaremos utilizando o shapefile que já estávamos usando, e que pode ser baixado aqui: ARQUIVO1. Lembrando: este shapefile está na projeção SAD69/UTMzone23S (código EPSG 29183), portanto, para iniciarmos os trabalhos, precisamos criar uma nova vista com esta projeção que, depois de aberta, devemos inserir o shapefile sobre o qual trabalharemos. No final, devemos estar com uma área de trabalho semelhante a essa:

Para começarmos o nosso trabalho com a Calculadora de Campos, precisamos colocar o gvSIG em modo de edição. Para tanto, no TOC, clicamos com o botão secundário do mouse sobre o nome do arquivo que iremos trabalhar e, no menu contextual que se abre, escolhemos a opção “Iniciar edição”.

A partir de agora o gvSIG estará em modo de edição, permitindo que tenhamos acesso a Calculadora de Campos.

Ainda como preparação para os trabalhos, precisamos criar um novo campo na tabela de atributos do nosso shape. Não vou abordar esse assunto novamente, então, se você não lembra como fazemos isso, volte ao artigo anterior desta série para revisar o assunto.

Abra a Tabela de Atributos do shape que estamos trabalhando (menu Tabela > Modificar a estrutura da tabela ou clicando no ícone correspondente). Se você está utilizando o mesmo shape que trabalhamos na primeira parte, verá uma tabela de atributos semelhante a essa:

(Se você baixou o arquivo novamente, a tabela não conterá o campo “MUN”, que foi criado no tutorial anterior. Não se preocupe, ele não será necessário para o trabalho que iremos fazer).

Observando com atenção os atributos da tabela, podemos notar que o Campo “Bairro” é do Tipo “String”, e tem um Tamanho de 254 bytes. Aproveitando que estamos na Tabela de Atributos em modo de edição, vamos alterar a tabela (menu Tabela > Modificar a estrutura da tabela) para criar um Novo Campo, com o criativo nome [Bairro2], com as mesmas características do campo [Bairro] (isto é: Tipo “String” e Tamanho de 254 bytes). Com isso, estaremos duplicando o campo [Bairro].

Copiar dados de textos a partir de um Campo existente:

A partir deste momento é que começamos a nossa conversa “pra valer”. Como primeira operação com textos através da Calculadora de Campos do gvSIG, vamos fazer uma operação básica: copiar os dados de um campo de texto para outro campo (isto é, vamos duplicar o campo). Pode parecer uma operação sem sentido, mas é muito importante quando queremos trabalhar sobre os dados de um campo, mas ao mesmo tempo precisamos preservar as informações originais.

Para iniciarmos o trabalho, sempre no modo de edição, vamos selecionar a coluna do campo [Bairro2], clicando em cima do seu nome na tabela. Em seguida, podemos acessar a Calculadora de Campos (menu Campo > Expressão). Na janela “Calcular expressão” que se abre, podemos notar no destaque da figura abaixo, que o campo [Bairro2] já vem destacado, indicando que é nele que o resultado da expressão será colocado.

Vamos copiar todos os registros que estão na coluna do campo [Bairro] para o nosso recém criado campo [Bairro2]. Para tanto, basta darmos dois cliques sobre o nome do campo desejado ([Bairro]), que o mesmo já aparecerá na expressão. Para completarmos o procedimento, basta clicar sobre o botão “Aceitar”. Podemos verificar então que todos os campos foram copiados para a outra coluna:

Se o nosso objetivo não é copiar a totalidade dos registros de um campo, o gvSIG nos permite realizar esta operação apenas sobre os registros desejados. Para testar esta modalidade, crie um novo campo na tabela (minha sugestão: [Bairro3] 🙂 ). Após criado o novo campo, retorne na tabela de atributos do nosso shape, e faça uma seleção de múltiplas linhas da tabela (dica: se você segurar a tecla “CTRL”, poderá fazer a seleção linha a linha, clicando nas linhas desejadas; se a seleção for contínua, você poderá clicar na primeira linha, pressionar a tecla “SHIFT” e clicar na última linha da seleção, que todas as linhas entre elas serão selecionadas).

Feita a seleção, clique na coluna do campo [Bairro3], que é onde colocaremos o resultado da expressão que vamos usar, abra novamente a Calculadora de Campos e repita o procedimento anterior:

Observe que agora, após clicarmos no botão “Aceitar”, o resultado da expressão só aparecerá nos registros do campo [Bairro3] que estavam selecionados antes de chamarmos a Calculadora de Campos:

Essa ferramenta pode ser utilizada em conjunto com a ferramenta filtro, o que nos ajudará muito quando estivermos trabalhando com tabelas de dados com muitos registros. Para tanto, estando no modo de edição, basta aplicarmos o filtro para fazer a seleção dos dados desejados, e depois aplicarmos a Calculadora de Campos para efetuarmos as operações desejadas.

Função Replace

A outra função que iremos testar nesta primeira parte será a função “replace”. Podemos utilizar esta função para substituirmos valores que existem em um determinado campo da tabela por outro valor. Por exemplo, para substituirmos algum valor que foi digitado errado, ou que tem que ser alterado.

A sintaxe desta função é: replace (Parâmetro1,Parâmetro2, Parâmetro3), onde:

  • Parâmetro 1: o campo onde iremos aplicar a função;
  • Parâmetro 2: a string antiga, que será substituída; e
  • Parâmetro 3: a string nova, que será colocada no lugar da antiga.

Neste exemplo, vamos substituir todas as strings “São Cristóvão” que ocorrem no campo [Bairro2], por uma nova string, “S. Cristóvão”. Para tanto, primeiramente teremos que remover a seleção que aplicamos no exemplo anterior, pois se não só obteríamos o resultado sobre os registros selecionados. Para remover a seleção, basta acessarmos o menu Camada > Limpar seleção, ou clicarmos no ícone correspondente.

Removida a seleção, selecionamos o campo sobre o qual iremos trabalhar ([Bairro2]) e abrimos a Calculadora de Campo. Para aplicarmos a função “replace”, na aba “Geral” da Calculadora de Campos, selecionamos a opção “string” para o Tipo, e na lista que aparece no lado direito da janela clicamos duas vezes em “replace”. Na parte de baixo da janela aparecerá a seguinte expressão:

replace( , "","")

Posicionamos o cursor antes da primeira vírgula e na lista de campos que aparece no lado esquerdo da janela, selecionamos o campo [Bairro2]. Ao darmos um duplo clique sobre ele, notamos que ele aparecerá na expressão:

replace( [Bairro2], "","")

Em seguida, digitamos entre a primeira sequencia de aspas a string que queremos substituir (“São Cristóvão”) e na segunda sequencia de aspas digitamos a string que irá substituir (“S. Cristóvão”). A expressão deverá ficar como a seguinte:

replace( [Bairro2], "São Cristóvão","S. Cristóvão")

Ao clicarmos em “Aceitar” veremos que a função “replace” foi aplicada sobre o campo [Bairro2], conforme solicitamos:

Um detalhe: depois de terminado não se esqueça de clicar com o botão secundário no nome do shape que estamos trabalhando, no TOC, e selecionar a opção “Finalizar a edição” no menu que se abre, e salvando (ou não) as alterações que foram feitas na tabela de dados!

Buenas… por hoje é isso, pessoal! Nos veremos em breve, com a próxima parte do artigo sobre a Calculadora de Campos no gvSIG. E, lembrem-se: #SLGeoTbFaz!