iDea Plus Geo

Geo ideias em formato aberto

Projeto Wikimapa: um mapeamento colaborativo

August 24, 2009 — Eliazer Kosciuk

Já vinha acompanhando esse projeto a algum tempo, e achei interessante divulgar a excelente iniciativa que o Programa Rede Jovem, da ONG Comunitas vem desenvolvendo: o Projeto WikiMapa.

Wikimapa - logo

A iniciativa tem um certo ineditismo, não tanto na proposta (mapear de forma colaborativa ruas e locais de interesse, como hospitais, escolas, prestadores de serviço, locais de lazer, entre outros), mas muito mais quanto ao público participante e os locais a serem mapeados: o mapeamento é realizado pelos próprios moradores de comunidades de baixa renda, que vão mapeando as ruas e vielas da sua comunidade, cadastrando os estabelecimentos, deixando referências e comentando os locais já mapeados. Enfim, construindo o conhecimento “geográfico” de sua comunidade de forma colaborativa.
Claro que esse tipo de conhecimento só pode ser construído dentro de uma plataforma wiki, e esse é um dos lados do Programa: a interface web, que permite visualizar na internet os dados já postados, permitindo também interagir com a informação, acrescentando ou corrigindo dados, postando fotos, vídeos, links e comentários.

O “outro lado” do Projeto vem da participação de cinco jovens, provenientes das cinco comunidades cariocas que estão sendo mapeadas nesta fase piloto (Complexo do Alemão, Complexo da Maré, Cidade de Deus, Santa Marta e Pavão-Pavãozinho). Com o apoio da Oi Futuro, cada jovem recebeu um celular com GPS e o programa Wikimapa, que permite inserir os dados diretamente no site do projeto. Assim que a informação é inserida, aparece também no Twitter do Projeto, além de compartilharem suas experiências em blogs dentro do site.

Wikimapa - plataforama colaborativa

Qualquer pessoa pode participar da iniciativa, bastando se cadastrar e baixar o programa para celular com simbyam, GPS, interno ou externo, e conexão com a internet, podendo enviar os seus dados de qualquer lugar do Brasil ou do mundo. Mesmo que não tenha um celular compatível, os usuários podem inserir os dados diretamente na interface web do aplicativo.

Mais uma vez: uma excelente iniciativa, principalmente por promover a inclusão de parcelas da população que normalmente não são nem lembradas em processos semelhantes.
Uma pena que ainda não é possível baixar os dados para serem visualizados em outros programas ou até mesmo passá-los para o GPS. Fica a sugestão.

Tags: geoprocessamento, geonews